Conte para nós um pouco sobre você. Qual seu nome? Formação? Idade?
Onde mora? Qual estado foi aprovado na PRF?

Meu nome é Pedro Garcia, 23 anos, formado em Ciências Aeronáuticas, sou piloto de
helicóptero e instrutor de voo. Sou natural do Rio de Janeiro, tendo sido aprovado nas
vagas daqui do meu estado.


A partir de que momento você deu início aos estudos para concursos
públicos, em especial o da PRF?
A crise no país levou o mercado de helicópteros a demitir grande parte dos pilotos e
isso gerou uma escassez de emprego em minha área. Com isso, decidi me dedicar ao
concurso da PRF, iniciando meus estudos em janeiro de 2016 e tendo sempre a PRF
como foco.


Sua família apoiou sua decisão? Se sim, de que maneira?
Eles sempre me apoiaram em minha caminhada como concurseiro, pois viam meu
comprometimento e as dificuldades, dando todo suporte necessário e não me
deixando desistir. Na reta final de minha preparação, me deram suporte tanto
emocional quanto financeiro.


Porque escolheu o concurso da PRF? O que te motivou?
Enquanto trabalhava no aeroporto, sempre via os helicópteros da PRF saindo em
missão e ficava sonhando com isso. Além disso, sempre fui apaixonado pela área
policial. Decidi estudar para PRF para unir minhas duas paixões: Helicóptero
e Polícia.


Quais materiais você utilizou para sua preparação?
Utilizei diversos materiais em minha preparação, dentre eles: PDFs do Estratégia
Concursos, livros de doutrinas, sites de simulados, site de questões, videoaulas
diversas, material do Quebrando as bancas, Concursos com Trânsito, entre outros…


Trabalha e estuda? Se sim, como consegue conciliar? Ou se dedica por
inteiro aos estudos?

Em 2016 e 2017, eu estudava, trabalhava e fazia minha segunda graduação. Nesse
período, utilizava todas as minhas horas vagas para estudar. A partir de 2018, me
dediquei exclusivamente ao concurso.


Além da PRF, foi aprovado em algum concurso público? Qual?
Fiz somente dois concursos enquanto me preparava para PRF: IBGE e INSS. Porém,
foram nos meus primeiros meses de estudo e eu não tinha base nenhuma para ser
aprovado. Eu realizava todas as provas das áreas policiais em casa quando o caderno
de prova era disponibilizado. Logo, a PRF, que sempre foi meu sonho, foi minha
primeira aprovação.


Qual/Quais principais obstáculos você encontrou pelo caminho?
Não tem como não pensar em desistir durante uma caminhada tão longa de incertezas.
O mais difícil é manter um psicológico forte e manter a constância nos estudos diante
de tantas adversidades e tentações que cruzam nosso caminho durante este percurso.


Você tem priorizado seus estudos para discursiva?
Aconselho que estudem MUITO para as discursivas, pois foram o diferencial nesta
prova. Eu comprei um curso de correção e fazia uma redação a cada domingo, após
realizar os simulados. Graças a essa preparação, atingi a nota de 19,79 em um total de
20 pontos.


Quando começou a treinar para o TAF da PRF?
Sempre gostei de praticar esportes e de ir à academia, então sempre me mantive
preparado para esta etapa. No entanto, após minha aprovação na parte objetiva,
comecei a treinar de forma mais direcionada.


Qual a frequência em que faz simulados?
Todo domingo, chegando a fazer até 3 simulados por semana algumas vezes.


Foi acompanhado por um Coach? Se sim, o que mudou depois do
acompanhamento em comparação quando estudava sozinho (a)?

Em Agosto de 2017, investi em no processo de Coaching com o Elite Aprovação que me ajudou muito a montar minha grade de estudos e o planejamento semanal. Com eles aprendi a estudar
de forma mais direcionada e também a importância de realizar simulados. Posso
afirmar com total certeza que foi o que me permitiu estar preparado no dia da prova e
me garantiu a aprovação, visto que antes eu estudava de forma totalmente
desorganizada.


O que você diria para quem está trilhando os estudos rumo ao tão desejado
cargo?
Continue na batalha, não se assuste diante das adversidades, tenha pessoas que te
apoiam por perto, tenha muita fé na sua caminhada e saiba esperar o tempo
necessário, pois sua vitória chegará quando você menos espera. Só pare quando tiver
ORGULHO DE PERTENCER, grande abraço e fiquem com Deus.

Conte para nós um pouco sobre você. Qual seu nome?Formação? Idade? Onde mora? Qual estado foi aprovado na PRF?

Meu nome é Danilo Henrique Frazão Dutra, sou bacharel em Direito, moro em Bela Vista-MS, tenho 36 anos de idade, concorri para o MS mesmo.

A partir de que momento você deu início aos estudos para concursos públicos, em especial o da PRF?

Comecei a sonhar em ser PRF aos 16 anos de idade, em 1998 e iniciei os estudos pela primeira vez em 1999, logo que conclui o ensino médio (2º Grau) pois era a escolaridade exigida para o concurso da PRF na época. Do início dos meus estudos até hoje eu tive vários períodos de quebra nos estudos devido aos mais variados motivos, portanto posso dizer que estudo para a PRF de forma ininterrupta desde 2011.

Sua família apoiou sua decisão? Se sim, de que maneira?

Sim. Minha família sempre me apoiou, sejam os pais, quando eu ainda era solteiro, seja a esposa e filhos já depois de casado. Eles sempre me apoiaram dando palavras de incentivo e entendendo a minha necessidade de me isolar por um grande período da minha vida em meu quarto estudando.

Porque escolheu o concurso da PRF? O que te motivou?

Eu sempre sonhei em ser PRF, é um sonho de adolescência. Acho uma profissão incrível, pois acredito que é possível a cada agente da PRF ajudar a sociedade a minimizar os problemas vivenciados nas rodovias federais como, por exemplo, os acidentes, roubos e o tráfico de drogas e armas, problemas que estão presente no dia a dia dos cidadãos e afetam a qualidade de vida, segurança e bem-estar de todos os brasileiros.

Além de que eu sempre admirei o trabalho policial e sempre gostei de rodovias, também gosto muito de motocicletas, ramo que eu gostaria de me especializar, caso consiga de fato pertencer à instituição PRF. Eu acho a PRF uma polícia diferenciada das demais, é a polícia que além de atuar na área operacional, atua no trânsito, na cidadania, na educação e conscientização para o trânsito e ainda no resgate de vítimas de acidentes, todas essas funções da PRF são funções que eu me identifico e que eu farei com amor se tudo der certo e eu for nomeado PRF.

Aliado a tudo isso ainda tem o fato de o trabalho do PRF ser um trabalho em que o profissional é tratado com toda a confiança, trabalha sem a fiscalização direta do superior hierárquico, existe a confiança mútua de ambos os lados, o superior e o subordinado, pois existe a disciplina consciente e isso não tem preço.

Para finalizar eu não poderia deixar de mencionar que um dos atrativos também é o sistema de carreira da PRF, sistema de carreira única. A PRF é um dos poucos órgãos públicos que não tem o quadro de pessoal dividido por carreiras distintas, o conhecido popularmente como “sistema de castas”. Esse tipo de carreira permite a todos os agentes, que iniciaram a carreira na classe e padrão inicial, possam um dia ocupar o cargo máximo do órgão, diretor geral. Isso é muito bom, pois cria um ambiente de trabalho de maior união, companheirismo, camaradagem, confiança e respeito evitando as divisões e humilhações tão comuns nos órgãos em que não existe carreira única.

Quais materiais você utilizou para sua preparação?

Utilizei o site de questões qconcursos, Estratégia Concursos, materiais do Quebrando as Bancas (principalmente para as redações), simulados do projeto Caveira e MPRF e lei seca.

Noventa por cento dos meus estudos foram em cima de questões e a maioria das questões eu estudei pelo site qconcursos.

Um conselho de ouro no estudo é não achar que material de estudos é igual a um time de futebol que só podemos ter um e ser fiel a ele. Podemos e devemos utilizar vários materiais, pois tiramos proveito do melhor de cada um. É impossível um único curso ser o melhor em todas as disciplinas, dessa forma o melhor é filtrar o que cada um tem de melhor.

Sem falar que também não é interessante ficar estudando em cima de vídeos e apostilas com teorias para só depois que, supostamente, “esgotar” o assunto partir para as questões. Eu já fiz isso por muito tempo e vi que não funciona, até mesmo porque é uma ilusão achar que vamos saber tudo em algum assunto. A banca sempre pode colocar uma questão que iremos errar, por mais que tenhamos estudado aquele assunto.

Temos que entender que estudar concurso é um oceano de conhecimento, mas que só precisamos nos aprofundar um palmo em cada tópico. Portanto pare de querer tentar ser PHD em qualquer matéria, pare de querer viajar demais, estudar para concurso é fazer o simples bem feito, com organização, disciplina e persistência. Estudar demais indo além do que a banca cobra é tão prejudicial quanto estudar de menos.

Eu sempre falo que quem é aprovado nos concursos não é quem sabe mais as matérias, é quem sabe “pintar as bolinhas certas do gabarito”. E por mais que possa parecer a mesma coisa não é. Não fique querendo se aprofundar demais em nenhuma matéria para impressionar os outros concurseiros nos comentários dos sites de questões, esse tipo de vaidade não vai te ajudar a passar no concurso, tente impressionar apenas o examinador.

Pra mim o que mais funciona para concurso é o estudo reverso, eu estudo partindo direto para questões e comentários. Se a simples leitura dos comentários não for suficiente para eu entender a questão eu tento sanar a dúvida consultando os meus resumos, se mesmo assim a dúvida ainda persistir só aí que eu utilizo o material de estudo. Porém quando eu vou às apostilas e vídeos  aulas uso de forma bem pontual, vou apenas no que estou com dúvida para resolver a questão, e já atualizo os meus resumos para da próxima vez não precisar ir ao material novamente. Assim que eu consigo entender a questão passo para a próxima e assim por diante, sem enrolação.

Trabalha e estuda? Se sim, como consegue conciliar? Ou se dedica por inteiro aos estudos?

Não só trabalho como tenho esposa e dois filhos para dar atenção. Para conseguir me classificar no concurso tive que fazer um sacrifício de me isolar da minha família, e aprender a estudar com eficiência, pois qualidade nos estudos é mais importante que a quantidade de horas estudadas. Eu já passei uma fase na minha vida em que eu estudava mais tempo e rendia menos nos simulados, justamente devido ao estudo de baixa qualidade.

Além da PRF, foi aprovado em algum concurso público? Qual?

  • IBGE 2000 (Recenseador /concurso para contrato por tempo determinado)
  • IBGE 2000 (Supervisor)
  • Escola de Sargento das Armas (ESA) 2002 (Sargento de carreira do Exército Brasileiro)
  • MPU 2010 (Técnico em Transporte)
  • PC/CE 2015 (Inspetor de Polícia)

Qual/Quais principais obstáculos você encontrou pelo caminho?

Em primeiro lugar eu posso dizer que uma das coisas que me atrapalhou foi o fato de eu ser muito cabeça dura por muitos anos, querer estudar do meu jeito, do jeito que eu aprendi a estudar quando fazia o ensino médio ou superior. Até eu perceber que para estudar para concurso tem que usar uma metodologia diferente eu apanhei muito, portanto eu diria que para amadurecer em concurso devemos ser humildes. A caminhada para o sucesso em concurso público é um verdadeiro exercício contínuo de humildade, devemos sempre estar tentando conversar com pessoas que já foram aprovadas ou que estão em um nível superior ao nosso e tentar descobrir o que eles fizeram ou estão fazendo que nós ainda não estamos fazendo, pois certamente serão aí os pontos em que se deve mudar. Eu diria que até mesmo as pessoas que estão mais imaturas nos estudos podem ter algo a nos ensinar, portanto é bom ter sempre disposição em ouvir e aprender com o próximo, mais do querer falar e ensinar.

Outro grande obstáculo são os fracassos tanto nos simulados quanto nos concursos reais, uma nota baixa as vezes nos desanima, mas temos que ter forças para continuar fazendo o nosso melhor e utilizar os resultados apenas para o lado positivo, que é ajustar o nosso estudo de forma a torná-lo mais eficiente. Outra coisa que temos que ter sempre em mente é que muitos que tiram notas altas nos simulados, na prova real não vão bem, e o contrário também ocorre. Eu não sei se os que tiram nota alta nos simulados e ficam com notas baixas no concurso valendo estão se enganando e roubando nos simulados, mas não é muito incomum ver casos assim.

Portanto não devemos ficar nos comparando com ninguém, mas apenas conosco mesmos. E o fato de estar tirando notas baixas nos simulados e/ou de estar começando nos estudos não é motivo para não fazer simulados. Existem pessoas que dizem que só irão começar a fazer simulados depois que “estudarem todo o conteúdo”, ou seja, nunca! NINGUÉM consegue ver todo o conteúdo de um concurso como a PRF com excelência, não tem jeito. Nem mesmo o primeiro colocado do concurso sabe de tudo, portanto, na minha opinião, os simulados devem fazer parte da preparação do concurseiro do começo ao fim da sua preparação.

Você tem priorizado seus estudos para discursiva?

Eu investi muito tempo e dinheiro fazendo redações a pagando por correções, porém infelizmente não consegui ficar com uma boa nota, tirei 13.52 dos 20 pontos possíveis na discursiva, e isso me tirou muitas posições, me deixando classificado, mas bem longe das vagas.

Sem falar que eu demorei muito fazendo a redação, provavelmente por excesso de preciosismo e também porque talvez eu não estivesse tão preparado para conseguir fazer mais rápido. Por este motivo fiquei com pouco tempo para fazer outras matérias e tive que deixar em branco questões de português, matemática e física que eu sabia e poderia ter acertado mas não deu tempo de fazer, sem falar em uma questão de física que eu errei porque fiz muito rápido e não vi a pegadinha, mesmo tendo feito uma questão praticamente idêntica em um simulado. Porém, se eu não tivesse treinado nada em redação talvez eu nem teria me classificado, poderia ter sido eliminado por tirar menos da nota mínima admitida, que são dez pontos.

Portanto aconselho a todos que quiserem ser aprovado em concurso que tenha prova discursiva que estude e treine bastante redação. Inclusive o mais indicado é fazer a redação juntamente com a prova objetiva do simulado, pois a ideia é simular o mais próximo possível como será no dia da prova.

Quando começou a treinar para o TAF da PRF?s

Só comecei depois que saiu o resultado do gabarito preliminar e eu vi que, em princípio, eu tinha uma boa chance de ser convocado para o TAF. Porém, um pouco depois de sair a autorização verbal para o concurso, cerca de um ano antes da prova objetiva e discursiva, eu comecei a fazer um regime bem rígido, pois eu estava com sobrepeso. Perdi quase vinte quilos em três meses, e com certeza isso me ajudou muito na preparação para o TAF.

Além do regime, como eu sou militar do Exército, eu faço exercício leves com uma frequência regular, mas com certeza o treinamento que eu estava realizando apenas no quartel não era suficiente, pois normalmente o exercício lá é só corrida. Portanto depois da publicação do gabarito preliminar eu comecei a realizar treinos individuais no quartel, em casa e passei a malhar em uma academia na minha cidade. Cheguei inclusive a comprar uma barra fixa de parafusar na parede e posteriormente coloquei uma barra tradicional no quintal da minha casa para eu pode treinar com mais frequência.

Qual a frequência em que faz simulados?

Antes de sair o edital a minha frequência nos simulados era de duas a três semanas, depois que saiu o edital era de uma ou duas semanas.

Foi acompanhado por um Coach? Se sim, o que mudou depois do acompanhamento em comparação quando estudava sozinho (a)?

Fui acompanhado pelo Elite Aprovação, e esse acompanhamento foi fundamental e decisivo para o meu sucesso. Apesar de eu já ser calejado nos concursos, ter vinte anos de experiência fazendo concursos, mesmo assim eu cometia vários erros na minha preparação e nada melhor que um profissional da área que já passou por tudo que eu estava passando, venceu e tem um olhar externo de tudo que está ocorrendo, de forma que fica mais fácil apontar as oportunidades de melhorias na preparação.

Como eu já falei anteriormente, concurso é um verdadeiro exercício de humildade. E quando já temos uma certa experiência fazendo concurso é difícil admitir que ainda não aprendemos a maneira correta de estudar. Mas é melhor reconhecer isso e aceitar as mudanças do que ficar errando a vida inteira e não conquistar a sonhada aprovação. Sem falar que o fato de eu ter acumulado muitos fracassos em concurso afetou muito meu psicológico, minha autoestima e autoconfiança, dessa forma o coach foi fundamental para me mostrar que eu sou capaz e fazer com que eu passasse a acreditar mais em Deus e em mim.

O que você diria para quem está trilhando os estudos rumo ao tão desejado cargo?

Diria que a humildade é indispensável para se chegar à vitória. Durante a minha caminhada de vinte anos de concurseiro muitas vezes eu tive que apanhar muito para aprender e evoluir. Descobri que não importa o tempo de concurseiro que a gente tenha, sempre temos algo a aprender com o próximo, mesmo que esse próximo seja um concurseiro bem menos experiente que nós. Por este motivo devemos sempre estar mais dispostos a ouvir do que a falar e aprender a colher as aprendizagens e ensinamentos com os outros. O caminho do sucesso fica bem mais curto quando aprendemos com os erros alheios do que quando decidimos cometer nós mesmos todos os erros possíveis.

Portanto se você já é experiente e calejado nos estudos para concurso, não se sinta diminuído e muito menos humilhado em buscar uma ajuda de um amigo ou de um profissional (coach) na sua preparação. Esse tipo de orgulho e vaidade só atrapalha e atrasa o processo. Eu mesmo permiti ser treinado pelo coach e também peguei muitas dicas com amigos que as vezes tinha apenas um ano de estudo para concursos, mas que tinham algo a me acrescentar, e isso foi muito importante para alcançar a classificação no concurso da PRF.

Sem falar que as vezes o que precisamos não é nenhuma dica de como se preparar ou organizar os estudos, mas sim de um ombro amigo, de alguém que diga que você é capaz, pois as vezes de tantos resultados negativos em provas e simulados acabamos duvidando que é possível. Daí a importância de não está isolado, e quando eu falo isolado é sem contato com ninguém que esteja passando pelo mesmo processo que você está. Eu sempre falei que só quem entende um concurseiro é outro concurseiro, só a dor gera a compreensão, portanto, ainda que o apoio da família seja fundamental, só quem está passando pela mesma dor que você poderá entendê-lo perfeitamente e o grupo como um todo fica muito mais forte do que uma pessoa tentando lutar sozinha.

Por fim, deixei o mais importante para o final. Eu não sei a sua crença e fé, mas para mim o meu maior amigo e aliado foi o Espírito Santo. Eu sempre achei que parar o estudo por alguns minutos ou por uma hora seria prejuízo demais para o meu quadro horário de estudos, pois para quem trabalha e tem cônjuge e filhos cada minuto de estudo é precioso, mas, de tanto a minha esposa e tantos amigos insistirem que eu deveria dar um tempo para Deus e que Ele iria me honrar e depois de quebrar tanto a cara sem conseguir ser tão produtivo nos meus estudos decidi dar ouvidos para eles. Comecei a separar um tempo que seria de estudos para orar (conversar) com o Espírito Santo e escrever uma carta (redação) diária para Ele. Durante esses momentos as minhas energias foram renovadas, era um grande refrigério para meu espírito, alma e mente. Incrivelmente esses momentos fizeram com que eu recebesse a sabedoria necessária vinda do alto para ver onde eu estava errando e o que deveria priorizar mais nos meus estudos.

Conte para nós um pouco sobre você. Qual seu nome? Formação? Idade? Onde mora? Qual estado foi aprovado na PRF?
Meu nome é Rafael Matos, sou formado em Administração, tenho 25 anos e moro em Nanuque (MG). Fui aprovado no estado vizinho da Bahia.

A partir de que momento você deu início aos estudos para concursos públicos, em especial o da PRF?
Iniciei os estudos para a PRF em março de 2017 no momento que percebi que eu não tinha satisfação no meu trabalho atual.

Sua família apoiou sua decisão? Se sim, de que maneira?
Minha família esteve ao meu lado em todos os momentos decisivos, respeitaram a decisão de correr atrás do sonho de ser PRF e me auxiliavam respeitando as minhas abdicações de alguns momentos com eles em prol dos momentos estudando ou fazendo simulados.

Porque escolheu o concurso da PRF? O que te motivou?
Eu descobri que havia em mim a vocação para a área policial, e dentre as instituições policiais, as PRF é de longe a mais íntegra, ética e cidadã em sua atuação e interação com a sociedade. A admiração pelo profissionalismo da instituição foi vital para a decisão.

Quais materiais você utilizou para sua preparação?
Utilizei o livro do PRF Ednilson, materiais do Quebrando as Bancas, Concursos com Trânsito, Editora Questões Discursivas e A Casa do Concurseiro.

Trabalha e estuda? Se sim, como consegue conciliar? Ou se dedica por inteiro aos estudos?
Trabalho. Tive que abrir mão de vida social, amigos e família por esses 2 anos para conseguir alcançar o objetivo. O segredo para conciliar é nunca desistir apesar da dificuldade que é, sempre resistir, resiliência é a palavra.

Além da PRF, foi aprovado em algum concurso público? Qual?
Banestes, Banco do Brasil, PCBA e PMMG.

Qual/Quais principais obstáculos você encontrou pelo caminho?
Tive muita dificuldade com problemas familiares que acabavam atrapalhando o estudo e problemas profissionais que desmotivavam, mas que acabaram se tornando motivação para o estudo após o processo de Coaching.

Você tem priorizado seus estudos para discursiva?
Sempre tive em mente a importância da discursiva, não treinei com a frequência que eu desejava, mas a qualidade do estudo, atenção aos detalhes, conhecimento da banca e material adequado me trouxeram a aprovação.

Quando começou a treinar para o TAF da PRF?
Desde 2017 eu treinava sazonalmente, mas dedicava mais tempo aos livros. Iniciei os treinos com acompanhamento de um profissional em educação física além de um nutricionista, focado especificamente para o TAF da PRF em agosto de 2018.

Qual a frequência em que faz simulados?
Sempre aos domingos, a cada 7 ou 15 dias. Com horário definido, ambiente preparado, alimentação e condições do ambiente parelhas com o dia da prova.

Foi acompanhado por um Coach? Se sim, o que mudou depois do acompanhamento em comparação quando estudava sozinho (a)?
Sim, fui acompanhado pelo Elite Aprovação. Absolutamente tudo mudou. A disciplina pra estudar, o foco e constância no objetivo, a maneira de encarar os problemas da vida, a maneira de encarar os concorrentes, enxergar os próprios limites e ir mais longe, analisar a si próprio e saber o que mudar para atingir as metas, o relacionamento com a família durante os estudos, controle das emoções para o dia da prova e dias de estudo, estratégia de estudos, saber dizer não para coisas que atrapalham o seu objetivo, dentre outras tantas coisas que eu ficaria aqui dias listando. Eu não sabia que eu era capaz de ir tão longe e só o acompanhamento me fez conseguir enxergar isso.

O que você diria para quem está trilhando os estudos rumo ao tão desejado cargo?
Como diria uma certa canção: “O impossível é uma palavra muito grande, que gente pequena usa pra tentar te oprimir”. Você é capaz de tudo, basta você acreditar e agir pra isso. E se você quer muito um objetivo, nunca desista, nunca pare, se for preciso se arraste. Porque se você desistir ou parar, você intimamente NÃO quer tanto esse objetivo, porque quando você quer, NADA TE PARA.

Conte para nós um pouco sobre você. Qual seu nome? Formação? Idade? Onde mora? Qual estado foi aprovado na PRF?
Meu nome é Marco Noronha, sou formado em ciências náuticas pela Marinha Mercante (EFOMM), tenho 30 anos, moro em São Paulo e prestei concurso e fui aprovado como PRF pra SP mesmo.

A partir de que momento você deu início aos estudos para concursos públicos, em especial o da PRF?
Especificamente para a PRF eu iniciei meus estudos em 16 de janeiro de 2017, mas havia estudado 6 meses para fiscal no primeiro semestre de 2016. Se parar pra pensar, minha vida de concurseiro vem desde 2007 quando comecei a estudar para a Academia da Força Aérea (AFA) para cadete aviador (CFOAV). Fui aprovado em 2009. Em 2011 prestei concurso pra EFOMM e passei apenas com 4 meses de estudo.

Sua família apoiou sua decisão? Se sim, de que maneira?
Perto da maioria (eu acredito) essa parte sempre foi a mais tranquila. Não tenho filhos nem esposa, moro com meus pais e irmãs. Todos sempre me apoiaram. Tinha algumas obrigações com eles como um retorno, mas nada que atrapalhasse minha rotina. Sem eles nada teria sido possível.

Porque escolheu o concurso da PRF? O que te motivou?
Quando estava na AFA eu queria ser do esquadrão SAR (resgate). Minha vontade sempre foi poder ajudar as pessoas. Encontrei na polícia uma forma de atingir esse ideal (PC, PRF, PM, PF), mas dentre todas elas, a que mais me chamou a atenção foi a PRF. Ela é uma polícia bem completa e está mais alinhada com meu perfil. Salário e escala são motivadores, mas a missão está acima de tudo isso.

Quais materiais você utilizou para sua preparação?
Usei bastante coisa do Estratégia e Exponencial. A parte de trânsito eu utilizei o Leandro Macedo (concursocomtransito.com.br). A galera também fala muito bem do Ronaldo Bandeira.

Trabalha e estuda? Se sim, como consegue conciliar? Ou se dedica por inteiro aos estudos?
Só estudo. Me dedico inteiramente. Meu estudo é meu trabalho. Hora pra entrar e sair, compensação de horários. E se tiver que fazer hora extra eu faço.

Além da PRF, foi aprovado em algum concurso público? Qual?
Além de concursos militares quando eu era mais novo (AFA, EFOMM, EEAR), eu obtive êxito nas PC`s SC (meu primeiro concurso na área policial), SP, PR.

Qual/Quais principais obstáculos você encontrou pelo caminho?
Perto da maioria, meu desafio era bem simples. Eu não tenho um canto de estudos meu. Então era negociar com minha irmã pra ficar estudando no quarto dela (minha sorte é que ela passava o dia todo fora). E a ansiedade também foi um problema, mas comecei a meditar e ela melhorou bastante.

Você tem priorizado seus estudos para discursiva?
Contando com os simulados, eram 2 redações por semana. Eu utilizei um site de correções pra me auxiliar também.

Quando começou a treinar para o TAF da PRF?
Sempre treinei, mas quando saiu o edital eu parei. Depois que passou a prova eu voltei a fazer funcional, correr, academia e natação, mas nada voltado pra PRF. Depois que saiu a lista foi que eu comecei a treinar pro TAF. Meu condicionamento sempre foi bom por causa da minha história como militar, então TAF nunca foi um problema pra mim. Só reforçando: eu sempre treinei, somente no pós dital que eu parei.

Qual a frequência em que faz simulados?
Os simulados eu sempre fiz. Fazia de acordo com a programação do projeto caveira.

Foi acompanhado por um Coach? Se sim, o que mudou depois do acompanhamento em comparação quando estudava sozinho (a)?
Eu tive dois coaches. Um no início dos meus estudos, que me orientou bastante no início dos estudos. Peguei jeito e comecei a estudar sozinho. Mas mesmo assim eu achava que estava faltando algo. Foi quando conheci o projeto Missão no Elite Aprovação. Com ele eu tive um Upgrade muti TOP. Eu passei a me conhecer melhor, realinhei meus estudos, mudei um ou outro material. O Coach foi aquela pessoa que já tinha passado pela mesma situação que a minha e agora estava do outro lado da travessia. Então ele tinha a empatia e a sensibilidade de enxergar de fora da confusão e apontar os erros e melhorias que poderíamos aplicar para melhorar nosso rendimento e técnicas. Foi uma reviravolta bem considerável. Melhorei muito. Estava sobrecarregado e ele me fez perceber o quanto eu iria me prejudicar a longo prazo. Fizemos alguns ajustes e isso foi mais um passo para a minha aprovação. Quero deixar claro uma coisa: cuidado para não confundir auxílio/ajuda nos estudos com uma fórmula milagrosa de aprovação. Isso é importante desde cedo notar!

O que você diria para quem está trilhando os estudos rumo ao tão desejado cargo?
Gostaria só de lembrar das regrinhas do concurseiro: Força – Foco – Fé! (disciplina também). Ser concurseiro não é fácil, é um sacerdócio. Exige muita entrega e resiliência. Já estive no mesmo lugar que você. Sucesso não é questão de ser gênio. É questão de dedicação e uma pitada de sorte também (claro que quanto mais você estuda, menos sorte você precisa). Quero frisar só mais uma coisa: Em todos os concursos que eu passei, eu NUNCA estive entre as vagas ofertadas, sempre como excedente. E no final das contas acabei entrando. Isso é muito comum na área policial (não posso falar com propriedade das outras áreas). Direto ao ponto: Não perca as esperanças! Vá até o final….só acaba quando termina. Ah sim…eu acho importante também dizer que pra ter sucesso e conseguir o seu tão desejado cargo não é necessário se privar de todos os fins de semana, de todas as festas, de todo o lazer!! Sua mente tem que estar saudável para aprender melhor. Sai de vez em quando, encontre os amigos, tenha um tempo pra sua família. Todos eles são peças importantes na sua vida, carreira e jornada. Mantenha em equilíbrio sua mente, corpo, sua alma (para os mais religiosos). Medite 15 minutos por dia (ou se comprometa a meditar 3 vezes na semana – o importante é criar o hábio), pratique atividades físicas 3 – 6 dias na semana (faça o que puder). Não entre na nóia de que você precisa deixar de fazer tudo para conseguir chegar ao seu objetivo. Seja comedido com suas ações.
Essa mensagem é principalmente para quem estuda a muito tempo sem um edital em mãos.
Agora lembre-se, assim que sair o edital, não tem jeito: bunda + cadeira + hora. Nesse momento é o sprint final. Faça tudo o que puder. Nessa fase você pode ser um pouco mais radical com as coisas. A única coisa que você não pode abrir mão é a família. Vai ser necessário um diálogo sincero e ambas as aprtes precisarão ceder um pouquinho.
Minha pitada de sorte: De acordo com o gabarito preliminar, eu havia feito 76 pontos. OK! Fiz tudo que estava ao meu alcance, e o não êxito não foi tão ruim assim. Eu já tinha conseguido alguns concursos e eu estava tranquilo. Daí vieram as anulações. Anularam 12 questões, das quais elevaram minha pontuação de 76 para 89 (nota de corte aqui em SP). Dormi reprovado e acordei aprovado. Concurso também tem dessas coisas 😉

Conte para nós um pouco sobre você. Qual seu nome? Formação? Idade? Onde mora? Qual estado foi aprovado na PRF?

Meu nome é João Neto, sou formado em Sistemas de Informação pela Universidade Federal do Acre. Possuo 23 anos, moro em Rio Branco – Acre e fui aprovado pra PRF aqui no Acre mesmo! Aprovado no meu estado!

A partir de que momento você deu início aos estudos para concursos públicos, em especial o da PRF?

Bem, no início da faculdade eu não pretendia estudar para concurso público… naquela época queria saber era de informática, até que comecei a estagiar na Justiça Federal do Acre. Cara, aquele lugar respirava concurso, todos só falavam de concurso, estudavam pra concurso e acho que acabei sendo influenciado pelo meio. Quando comecei a estudar lá comecei a estudar pra concurso na minha área, mais ou menos ali entre 2014 e 2015, não lembro bem. Eu ia fazendo os concursos da minha área e tudo que ia aparecendo, nesse meio tempo o meu chefe lá na Justiça, falou: “Ei aspira, vai sair o concurso da PRF, porque tu não faz?” Naquela época já falavam que o concurso tava prestes a sair (que ilusão kkkkk). Então eu comecei a pegar essas matérias de direito também, mas tudo muito desorganizado, estudando na doida, sem fazer revisão, UM CAOS! Em 2016 acabei passando para o cargo de Analista Legislativo na Câmara Municipal daqui de Rio Branco e então, no final de 2016 eu decidi que ia fazer um estudo focado na PRF, bater o edital inteiro, e foi ai que comecei, mais precisamente no dia 28/11/2019 (exatamente dois anos antes de sair o edital da PRF). A partir dessa data comecei um estudo sério, com revisões programadas, bastante resolução de questões e horas de bunda na cadeira.

Sua família apoiou sua decisão? Se sim, de que maneira?

Eu nunca fui uma pessoa que conseguia esconder que estava estudando, então praticamente todos sabiam do meu sonho e graças a Deus todos apoiavam. Agradeço meus pais que me deram muito apoio, força, e me mostraram que o caminho a se trilhar era o da educação. Minha noiva também me ajudou muito, não só com apoio, com muito mais que isso, ela realmente vestiu a camisa junto comigo! As vezes tava estudando e ela mandava foto de uma viatura na rodovia falando: “Daqui uns dias é tu!”. Essas coisas fizeram a diferença.

Porque escolheu o concurso da PRF? O que te motivou?

Desde pequeno sempre gostei muito da atividade policial, filmes, essas coisas todas, até falava pro meu pai que queria ser mas sem muita seriedade. Depois de começar a estagiar na justiça onde o meu chefe falou da PRF e começou a falar como que funcionava eu comecei a me interessar. Comecei a pesquisar bastante e fui me apaixonando. Também tive ótimas conversas com um PRF da minha igreja, onde ele contava como funcionavam as coisas lá, as escalas, a rotina de não ter rotina. Ai já era! Tudo isso somado com uma boa remuneração, oportunidade de melhorar de vida, me motivou bastante.

Quais materiais você utilizou para sua preparação?

Eu utilizei uma infinidade de materiais que nem me lembro de todos, mas a minha dica é: Não se prenda somente a um cursinho ou a um material, aprenda a tirar o melhor de cada um. Eu estudei por vários cursinhos, dentre eles: Estratégia, Exponencial, Ronaldo Bandeira, Leandro Macedo, JeanGrafia, CERS, entre outros, além do bom e velho YouTube (principalmente para matemática e física).

Trabalha e estuda? Se sim, como consegue conciliar? Ou se dedica por inteiro aos estudos?

Durante o meu estudo eu trabalhava e estudava. Eu trabalhava por 6 horas corridas, das 08 às 14. O tempo que eu tinha fixo para estudar era após esse horário, que me rendia um bom tempo de estudo. Eu sempre estudei em média 3 horas líquidas por dia (bem estudadas) de segunda a segunda. Sempre que dava no trabalho, quando não estava fazendo nada eu estava fazendo minhas revisões no Questões de Concursos (ferramenta indispensável).

Além da PRF, foi aprovado em algum concurso público? Qual?

Ao longo da caminhada de concurseiro fui colhendo alguns frutos:
• Analista Câmara Municipal de Rio Branco – cargo atual
• Técnico Informática TRT14 – cadastro de reserva
• Oficial do Corpo de Bombeiros Acre – caí no TAF (fui ruim, mas me trouxe bastante aprendizado).
• Soldado PM Acre – sai do concurso na fase de exames médicos por entender que continuar estudando para PRF seria mais vantajoso.
• Polícia Civil Acre – sai do concurso na fase de exames médicos por entender que continuar estudando para PRF seria mais vantajoso.
• Polícia Federal – estou como excedente.

Qual/Quais principais obstáculos você encontrou pelo caminho?

Pra mim um dos maiores obstáculos foi o desânimo e a preguiça. Estudar não é uma tarefa fácil, é bem difícil. Você sentar a bunda na cadeira enquanto existem mil coisas interessantes pra fazer é muito complicado. Mas o que me ajudou nessa parte foi saber que se eu não fizesse esse sacrifício eu jamais chegaria onde queria chegar. Então foquei no alvo e só parei quando alcancei!

Você tem priorizado seus estudos para discursiva?

Eu sempre negligenciei um pouco o estudo pra discursiva, fazia redações mas não com muita seriedade. Após o concurso da PF onde obtive 9,5 na redação (valendo 13) eu me atentei mais pra isso, pois se eu tivesse feito 2 pontos a mais na redação eu estaria nas vagas. Então pós edital da PRF estudei bastante e obtive até uma boa nota, consegui tirar 15,52 de 20 pontos.

Quando começou a treinar para o TAF da PRF?

Quando eu passei no concurso do bombeiro e fui começar a treinar para o TAF após isso e não consegui, eu vi que precisava treinar com antecedência, não dava pra treinar depois do resultado. Então, de lá pra cá, eu sempre treinei, fiz academia, essas coisas. Depois do edital não consegui treinar tão forte, mas estava sempre na academia, com isso depois da prova só estou trabalhando em um ou outro índice.

Qual a frequência em que faz simulados?

Fazia simulados todo domingo, foi um divisor de águas no meu estudo. Com os simulados pude acompanhar a minha evolução e onde eu estava errando.

Foi acompanhado por um Coach? Se sim, o que mudou depois do acompanhamento em comparação quando estudava sozinho (a)?Participei da turma de Coach chamada Missão Fênix, do Elite Aprovação. Cara, eu gostei bastante da turma de coaching, principalmente pelo fato de ter sido em grupo. Com o grupo a gente aprende muito mais, não ficamos restritos só a mentoria professor-aluno. O Elite Aprovação ensinou bastante coisas interessantes, como técnicas de estudos, aprender a driblar as coisas que nos atrapalham, aprender a mudar a nossa mentalidade. Tudo isso somado às experiências compartilhadas com o grupo, que se tornou uma família, foi sensacional. É aquela frase, quando você vai sozinho você chega mais rápido, mas quem vai acompanhado vai mais longe. O Missão Fênix me ajudou muito, obrigado galera!

O que você diria para quem está trilhando os estudos rumo ao tão desejado cargo?


Eu diria que não existe fórmula mágica e também não existe uma fórmula complexa, é simples mas requer um esforço grande: estudar, revisar, resolver questões, fazer simulados. Pega tudo isso e repete várias vezes, quando achar que já tá bom repete mais várias vezes. Estudar pra concurso é uma caminhada difícil, tenha certeza que é isso que você quer, porque você vai precisar abdicar de algumas coisas. Mas lembrem, sempre com equilíbrio. Não adianta estudar tudo e não ter saúde mental! Você precisa chegar no dia da prova com bastante conteúdo e com a mente tranquila e calma. Quando eu fui fazer a prova eu estava tranquilo porque sabia que tinha feito o meu melhor. Se não desse certo, paciência, mas que eu dei o meu melhor eu dei! Então, foque no seu sonho e dê o seu melhor!
Uma dica que escutei uma vez, não lembro quem foi que falou, é a seguinte: “O estudo pra concurso é como uma piscina longa e rasa.” Ou seja, você tem um edital imenso para estudar mas não precisa se aprofundar demasiadamente em tudo. Veja todas as matérias (não abdique de uma matéria só porque você tem dificuldade, como física, matemática ou português, pois essas farão a diferença entre estar aprovado ou não). Você precisa saber de tudo em uma boa quantidade! Resolver questões ajuda bastante nesse ponto, a identificar até onde vai a profundidade que a banca cobra.
No dia que você ver o seu nome entre os aprovados dentro das vagas. Tudo, absolutamente tudo que você passou vai ter valido a pena!
Um grande abraço e estou a disposição pra qualquer coisa. Abraços!

Conte para nós um pouco sobre você. Qual seu nome? Formação? Idade? Onde mora? Qual estado foi aprovado na PRF?
Sou Kleberson Vilarino, tenho 27 anos e moro na cidade de Campinas-Sp, sou Bacharel em Enfermagem, porém não exerci tal profissão, pois durante a faculdade descobrir minha vocação para a área policial.

A partir de que momento você deu início aos estudos para concursos públicos, em especial o da PRF?
Em 2012 comecei fazer concursos, porem utilizava péssimos materiais e só em 2015 consegui minha primeira aprovação na PMSP, (cargo na qual exerço). Em agosto de 2016 terminou o curso de formação e “fomos pra rua” sempre gostei da atividade policial, e resolvi sonhar mais alto, “queria ser um federal” mais qual a melhor: PF ou PRF? fiquei cinco dias pesquisando sobre as duas carreiras, e escolhi a PRF, e desde o final de agosto de 2016 vim me preparando único e exclusivamente para esse concurso.

Sua família apoiou sua decisão? Se sim, de que maneira?
Desde quando comecei a estudar entrei de cabeça na preparação, é claro que sem ser muito radical, conversei com minha família e amigos e expliquei que estava trabalhando em um projeto de vida que requeria muita dedicação, mas não abria mão de eventos em família ou de vez em quando sair com os amigos, temos que saber dosar cada coisa, e dessa forma não me tornei um cara chato, tive o apoio de todos.

Porque escolheu o concurso da PRF? O que te motivou?
Vários fatores me motivaram a escolher a PRF, dentre eles a escala de serviço, o fato de ser carreira única, por ser uma polícia organizada e respeitada pela sociedade e de possibilitar trabalhar em qualquer parte da federação. Fui aprovado no estado de Rondônia, e muitas pessoas vieram me perguntar como foi minha preparação, antes de falar a “receita” gostaria de desmistificar aquela coisa de quê: “para ser aprovado você tem que estudar por X tempo.” MITO! eu estudo para PRF faz quase 2 anos e meio, e digo a vocês por dois anos estudei de maneira errada. Estudar requer estratégia e organização isso garantirá sua aprovação.

Quais materiais você utilizou para sua preparação?
Nesse tempo utilizei vários materiais: vídeo aulas, PDF´S, simulados, site de questões e turma de correção de redação, não devemos nos prender a um único material ou cursinho, e sim aproveitar o melhor de cada um para montar nosso próprio material.

Trabalha e estuda? Se sim, como consegue conciliar? Ou se dedica por inteiro aos estudos?
Eu trabalhava e estudava, sempre buscava encontrar um tempo extra para poder estudar, aproveitava qualquer tempo livre, acordava mais cedo, horário de almoço…e assim foi durante toda minha preparação.

Qual/Quais principais obstáculos você encontrou pelo caminho?
Como disse estudei 2 anos de forma errada, já havia batido todo edital umas 3 vezes e ainda assim não passava dos 50 pontos nos simulados, sabia que estava falhando em algum ponto, foi aí que decidir buscar ajuda (PS. sempre estudei em casa), contratei um Coach, e ao contrário do que muitos pensam, Coach não é motivação apenas e muito menos “babá” de concurseiro. Ele simplesmente apontou onde eu estava falhando, indicou outros materiais e estratégias para evoluir, e em questão de meses sair de 50 pontos para 83 pontos no meu último simulado, e fiz 85 pontos na prova objetiva.

Quando começou a treinar para o TAF da PRF?
Outro aspecto importante é a preparação física, muitas pessoas deixam isso para depois da prova, o que é um grande erro. Primeiro porque é muito pouco tempo para se preparar pós prova, e segundo porque a atividade física também ajuda na saúde mental e na performasse dos estudos, por isso sempre foi minha aliada desde o início.

Qual a frequência em que faz simulados?
Fazia um simulado por semana, como se fosse no dia da prova com discursiva e cronometrando o tempo. Isso possibilitou eu enxergar meus pontos fracos nas disciplinas e também montar minha estratégia para o dia da prova, que foi apenas mais um simulado.

O que você diria para quem está trilhando os estudos rumo ao tão desejado cargo?
A mensagem que deixo para os irmãos que estão estudando, que talvez não conseguiu nesse, ou mesmo está iniciando agora os estudos, é que sejam fortes! jamais desistam desse sonho. O caminho é árduo, mas valerá muito a pena no final, se você não está vendo evolução e sabe que está fazendo algo errado, procure ajuda, não dê ouvidos a pessoas que nada acrescentam em sua vida, procure aqueles que realmente querem ver você crescer e podem te ajudar com isso. A fila andou, e você será o próximo da vez, acredite!

Conte para nós um pouco sobre você. Qual seu nome?Formação? Idade? Onde mora? Qual estado foi aprovado na PRF?
Me chamo Vinicius Adalberto de Oliveira, tenho 23 anos, sou formado em gestão

A partir de que momento você deu início aos estudos para concursos públicos, em especial o da PRF?
Comecei meus estudos para a PRF em setembro de 2018.

Sua família apoiou sua decisão? Se sim, de que maneira?
Minha família me deu muito apoio durante essa fase, pois é um sonho meu.

Porque escolheu o concurso da PRF? O que te motivou?
Escolhi a PRF por se tratar de um sonho, uma vocação, além da estabilidade e um bom salario.

Quais materiais você utilizou para sua preparação?
Utilizei matérias do Focus, Estratégia e do Alfacon.

Trabalha e estuda? Se sim, como consegue conciliar? Ou se dedica por inteiro aos estudos?
Trabalho durante o dia e estudava a noite e nos finais de semana.

Além da PRF, foi aprovado em algum concurso público? Qual?
Fui aprovado na ESA em 2012.

Qual/Quais principais obstáculos você encontrou pelo caminho?
As maiores dificuldades que encontrei foram o cansaço, a abdicação de algumas coisas que gostava de fazer e a conciliação de trabalho e estudos.

Você tem priorizado seus estudos para discursiva?
Estudei muito pouco a discursiva.

Quando começou a treinar para o TAF da PRF?
Já faço atividades físicas rotineiramente.

Qual a frequência em que faz simulados?
Comecei a fazer simulados todos os finais de semana após o edital.

Foi acompanhado por um Coach? Se sim, o que mudou depois do acompanhamento em comparação quando estudava sozinho (a)?
O acompanhamento por um Coach foi fundamental para minha aprovação, pois estava sem rumo nos estudos, e graças a ele, eu consegui me ajeitar e ter um planejamento de estudos.

O que você diria para quem está trilhando os estudos rumo ao tão desejado cargo?
Para aqueles que estão em busca de seus sonhos, não desistam, o caminho é difícil e dificuldades surgiram no meio dele, porém no final tudo vale a pena, então continuem em frente.